BLOG EPC 2021

As alunas do 9º ano x prepararam essa matéria de estreia para vocês!

A SAÚDE MENTAL NA QUARENTENA

  Como está a saúde mental dos jovens durante um ano de isolamento social.

Com o início da quarentena vieram muitas preocupações somadas a propagação da COVID-19, uma dessas foi justamente: a saúde mental da população diante de um isolamento social.

   “No início da pandemia, houve uma ligeira piora nos sintomas de ansiedade e depressão, de até 10%. Mas isso se estabilizou ao longo de 2020 até voltar aos níveis de antes”, comenta o psiquiatra André Brunoni.

     Os estudantes estão entre os grupos que mais foram afetados pela quarentena, muitos podem ser os possíveis fatores, até mesmo a escola.

  Hoje o que mais está deixando essa causa pior, é a internet, que é quase o tempo todo usada pelos jovens e que agora estão com um aumento a exposição a ela. Vários desafios e brincadeiras de mal gosto foram feitos nesse tempo, confirmando tudo o que está acontecendo. Mas é importante destacar que nem todos os adolescentes estão desse jeito e fazem tais brincadeiras, e que estão ajudando outros a melhorarem com isso.

    A mudança de rotina, principalmente, no que se refere às alterações do ambiente com aulas presenciais para o universo digital. Tais transformações ocorreram rapidamente, por isso nem todos os estudantes conseguiram adaptar-se de uma forma mais segura, sendo eles, os mais prejudicados no fim.

    Além disso, a ausência dos colegas e a falta de interação com a comunidade escolar aliadas à responsabilidade de cumprir, sozinho, as tarefas da escola afetam diretamente a estabilidade emocional de crianças e adolescentes.

   Aqui estão algumas dicas para que nós possamos mudar um pouco desse quadro:

• Tente ao máximo ser gentil com as pessoas ao ser redor, como estamos em quarentena é sempre bom ter um relacionamento estável com as pessoas.

• Sempre anote frases ou pensamentos positivos, poderá te ajudar muito ao longo dessa quarentena.

• Coloque na sua cabeça que você é especial.

• Fique com pessoas que te fazem bem, pode ser amigos da internet ou até mesmo seus pais.

• Caso você perceba sintomas de depressão ou ansiedade, procure uma ajuda profissional, sua saúde mental importa muito. Não deixe que piore e cause algo mais grave.

Se você está se sentindo mal ou deprimido de alguma forma, ligue para 188, Centro de Valorização a Vida.

GRUPO A: Grazielli, Ana Luiza, Helena Ramos, Thais e Giovanna Zamberlam.

BLOG EPC 2021

Pessoal, estamos trazendo uma notícia muito legal para vocês. O nosso projeto Blog EPC está voltando com um gás novo. Sim, nossos alunos do nono ano e do primeiro ensino médio vão postar toda semana curiosidades com temas bem diversificados. Teremos novidades para todos os gostos. Vocês poderão ler ou escutar um Podcast sobre meio ambiente, política, o mundo do entretenimento e muito mais.

Nessa primeira semana do projeto Blog EPC, o nosso nono ano resolveu falar um pouco sobre “A saúde mental na quarentena”.

Esperamos vocês aqui para curtir nosso projeto e adquirir muito conhecimento!

PROJETO BLOG EPC ENSINO MÉDIO

A VOLTA DO ESPORTE NA PANDEMIA: Até que preço vale o entretenimento?

A pandemia do novo corona vírus mudou o mundo, e isso não é novidade para ninguém. Mais de um milhão e cem mil pessoas morreram por conta de tal enfermidade até o dia que esse texto é escrito (28/10). Muito superior do que foi as outras variações do vírus SARS, e muito mais impactante do que a última pandemia global, causada pelo H1N1, as feridas causadas pelo vírus foram e são inúmeras, e atingiram muitos setores, e um dos que mais sofreram impacto, foi o setor esportivo.

            O corona vírus teve seu início bem explicitado em janeiro de 2020, abalando completamente a China, que sofreu impactos severos, e por conta de todo o turismo do mês anterior, junto com o próprio início de ano, fizeram com que a pandemia começasse a se alastrar pelo mundo inteiro, e um pouco depois do início de março, quase todos os países do mundo já tinham casos registrados. E isso foi como uma facada nos esportes. No início de março, o conselho superior da NBA (liga norte-americana de basquete, tida como a mais forte do mundo), anunciou que a temporada estava paralisada até segunda ordem, principalmente pelos contágios após os primeiros jogos em março. Ainda no mesmo mês, a UEFA (confederação de futebol europeia), anunciou que estava paralisando todos os seus torneios, e adiando a Eurocopa para 2021. Na onda da UEFA, a CONMEBOL (confederação de futebol sul-americana), também anunciou a paralisação de seus torneios, e o adiamento da Copa América também para 2021. Algumas ligas ainda relutavam, mas o golpe de misericórdia que decretava que a situação era insustentável, veio no dia 24 de março – com o COI (Comitê Olímpico Internacional), anunciando o adiamento das Olímpiadas de Tóquio 2020 adiadas para 2021. E com o anúncio da COI, praticamente todos os esportes foram parando pouco a pouco, com exceção de isolados e pouquíssimos países, como a Bielorrússia, que manteve sua rotina normal.

            Ok, as grandes corporações se importaram com o bem maior, e vieram a paralisar seus torneios, em sua maioria por um tempo muito grande. O primeiro movimento de volta ao esporte a se destacar, foi na Alemanha, onde a primeira onda estava bem controlada, e jogos sem público da Bundesliga (a liga nacional) foram autorizados, para encerrar a temporada 2019-20 ainda no prazo, em junho. Ainda que bem criticado, a volta do futebol alemão foi um exemplo, com diversos protocolos de segurança, como testes em massa, poucas pessoas ligadas à imprensa nos estádios, e obviamente, jogos sem público. Isso foi muito bom para o Velho Continente, tanto que outras Ligas Nacionais e os torneios continentais voltaram com os mesmos protocolos da Alemanha, e parecem que deram certo, ao menos até algum tempo atrás. Com a volta dos jogos de seleções, os casos voltaram a aparecer, mas estudiosos dizem que é algo normal, e que infelizmente essa tendência é de manter com casos ativos até uma cura efetiva. Com essa volta futebolística na Europa, obviamente outro mercado gigante em esportes já se movia frequentemente para voltar, e esse mercado era o americano. Podemos dizer que os Estados Unidos tiveram a melhor experiência contra o Corona, e a pior – ao mesmo tempo. Com a volta para o fim da temporada da NBA, além de outras ligas de esportes tradicionalmente americanos, como a MLB, a NFL. Na NBA foi um sucesso extremo, com a bolha organizada pelos comissários, com todos os jogos ocorrendo em Orlando, na mesma arena, e apenas com as equipes que ainda poderiam disputar o título, além de ser terminantemente proibida a saída da mesma bolha. O trabalho árduo foi incrível, os casos de Covid-19 na NBA foram quase inexistentes, mostrando que foi melhor ainda do que a volta do futebol na Europa. Mas, como dito anteriormente, os Estados Unidos também figuraram com o pior setor possível. A volta da NHL e principalmente da MLB (ligas de futebol americano e baseball, respectivamente) são setores de descasos imensos. Com as equipes viajando cidade-a-cidade, jogos em quaisquer lugares e sem nenhuma importância com a saúde dos atletas, vimos bizarrices como jogadores com o vírus atuando normalmente, sendo um péssimo protocolo feito pelas confederações desses esportes.

            Mas talvez, um despreparo maior que todos esses, ocorreu aqui na nossa terra. Com a onda de volta ao redor do mundo, a FERJ (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro), decretou a volta do estadual carioca na pior fase do corona vírus no Brasil. No auge da pandemia, foi feita uma aglomeração imensa para um grande Bangu e Flamengo. Extremamente criticado por veículos de imprensa, a FERJ seguiu e encerrou o Campeonato Carioca. E com o fim dele, e visto uma abertura e um relaxamento das medidas na pandemia brasileira, todos os estaduais pouco a pouco voltaram, e por consequência, os campeonatos nacionais também retornaram. Só que infelizmente, o caso brasileiro não foi nada bom, como foram os exemplos da Europa, ou da NBA nos E.U.A. As bizarrices no futebol brasileiro começaram desde os estaduais, em casos que times jogaram desfalcados por conta de testes, e outras equipes ainda jogaram com jogadores infectados por um talvez ”falso positivo”, ocorrido diversas vezes. Nos campeonatos nacionais, essa situação ficou ainda mais escancarada, com diversas polêmicas ocorridas nessa metade de Campeonato Brasileiro. Goiás, Atlético Goianiense, Flamengo são alguns dos casos que jogaram desfalcados, na elite do futebol nacional, por conta de mais de 10 ou 15 jogadores estarem contaminados. O efeito financeiro na elite, ainda foi pior, Corinthians, Flamengo, Internacional, São Paulo, Santos, Bahia e Palmeiras são alguns dos times que ficaram mais no vermelho por conta da pandemia, tendo de abaixar salários e vender jogadores de maior nível para fecharem contas. Mas se isso foi na elite, como é no resto do futebol nacional, tanto de divisões inferiores, como o feminino? Simples, é pior ainda. A Série D, quarto nível do futebol, já teve quatro desistências antes do início do torneio, além de constantes exposições de falta de recurso das equipes. Vale dizer que na Série B e Série C, a situação também não é boa, tendo em vista que times clássicos, como o Cruzeiro, se afundam em dívidas, vindas de más gerências e agravadas pela pandemia, e equipes menores tem dificuldade de fecharem contas mensalmente. A situação 124 times das quatro divisões, é extremamente desigual, e a pandemia expôs isso, mas trouxe dificuldades para todos. Só que uma situação que é pior ainda do que essa do futebol masculino, são de outros esportes como o vôlei e o basquete, que encerraram suas temporadas de 2020 sem campeões pela pandemia. Vale ressaltar os esportes femininos, já sem incentivo por natureza, tiveram uma queda ainda maior, o campeonato brasileiro de futebol, por exemplo, virou uma várzea maior do que já era, e resultados imensos (como o 29 a 0 aplicado pelo São Paulo feminino no Taboão, pelo campeonato paulista), e times ainda mais desinteressados pela modalidade feminina, causando uma falta ainda maior de recursos, que já eram escassos.

            O Brasil não soube nem de perto como lidar com a pandemia, e os esportes, por mais que divertem e tragam grandes fundos (principalmente de visualizações pela TV), foram corretos em voltar agora? Provavelmente não, foi um projeto extremamente falho em relação ao que foi feito na Europa, e muito longe do ideal, feito na NBA. Por conta dessas tremendas falhas, provável que paguemos caro nos próximos meses e anos – mas logicamente, não é só culpa do esporte.

#ProjetoBlogEPCEnsinomédio

Fontes:

https://globoesporte.globo.com/blogs/blog-do-rodrigo-capelo/post/2020/09/14/efeitos-da-pandemia-nas-financas-dos-clubes-dividas-aumentam-em-mais-de-r-800-milhoes-apenas-no-primeiro-semestre-de-2020.ghtml

https://www.uol.com.br/esporte/colunas/lei-em-campo/2020/07/11/o-futebol-feminino-em-meio-a-pandemia.htm

https://globoesporte.globo.com/futebol/futebol-internacional/noticia/oficial-copa-america-e-adiada-para-2021-por-causa-da-pandemia-do-coronavirus.ghtml

https://globoesporte.globo.com/futebol/futebol-internacional/noticia/imprensa-europeia-aponta-que-uefa-decidiu-pelo-adiamento-da-eurocopa-para-2021.ghtml

https://globoesporte.globo.com/basquete/nba/noticia/nba-divulga-a-tabela-do-retorno-da-temporada-em-orlando-abertura-tera-jazz-x-pelicans.ghtml

https://www.cnnbrasil.com.br/esporte/2020/06/24/liga-de-beisebol-dos-eua-anuncia-retorno-com-temporada-reduzida

PROJETO BLOG EPC ENSINO MÉDIO

Olá pessoal, estamos de volta para compartilhar mais algumas informações do nosso projeto “Blog EPC Ensino Médio”. Hoje os nossos alunos do segundo ensino médio estão trazendo dois temas bem interessantes, o primeiro é “Trilha sonora nos jogos de vídeo game” e o segundo sobre ” A volta do esporte na pandemia.
Boa leitura! ; )

#BlogEPCEnsinoMédio

TRILHA SONORA NOS JOGOS DE VÍDEO GAME

Os jogos são hoje em dia algo extremamente moderno com gráficos ultra realistas e experiências que revolucionaram a indústria dos jogos, porém, há muitos anos atrás quando o videogame era uma caixa cinza que quando ligada através de cabos em outra caixa cinza produzia sons e vídeos que se tornaram icônicos e são hoje apelidados de “retrô”. De fato, se você viveu a época de 2000 onde os consoles atingiam o seu ápice de popularidade, então com certeza vai sentir nostalgia ao escutar “Playstation” dito por uma voz robotizada ou então escutar a clássica melodia de Super Mario World que é tida como a mais famosa de todos os jogos já produzidos na história.

Mas o que eu quero trazer hoje não é sobre a evolução dos consoles ou dos jogos, mas sim sobre um importante componente que é um dos mais importantes nos jogos, a sua ‘’Trilha Sonora’’. No começo dos jogos em 1958 quando Higinbotham deu luz ao que seria o primeiro videogame do mundo, recursos como a trilha sonora não eram tão importantes assim, afinal, não haviam recursos que conseguissem juntar experiências de jogabilidade tão avançadas. Os sons e músicas da época eram gravados e armazenados em formatos analógicos como cassetes e discos de vinil, porém eram maneiras muito caras e muito frágeis para serem usadas em jogos de fliperama ou até mesmo em consoles, uma alternativa prática para esse problema foi introduzir um chip de computador que transformava os códigos mandados pelo computador em ondas sonoras para um alto-falante por exemplo, com isso, uma nova era no mundo dos games foi iniciada e é conhecida como “A Era dos 8-bit” onde consoles famosíssimos como o Atari 2600 tinham a capacidade de gerar dois tons, ou seja duas notas de som o que na época era simplesmente o máximo. Com esse avanço na tecnologia, foi também criado um computador que é chamado de “Pioneiro dos sons digitais” o famoso Commodore AMIGA em 1985, o chip que havia dentro dele tinha quatro conversores independentes de sinais analógicos para digitais de 8-bit, falando em uma linguagem mais simples, no computador continham quatro chips capazes de fazer som e isso fazia com que as ondas sonoras que antes eram apenas um ‘’bip’’ podiam ser transcritas em “samples” que é o nome dado aos sons que são armazenados em mídia digital, ou seja, o computador era capaz não só de produzir novos sons como também podia armazená-los sem o uso de um vinil ou cassete. Com isso, muitos jogos começaram a apresentar suas próprias trilhas sonoras sendo o primeiro deles o “Carnival” lançado pela Sega em 1980 e é considerado o primeiro jogo a apresentar uma música de fundo contínua, pois os jogos anteriores usavam cassetes pré-gravados com músicas.

Agora que sabemos como são feitas, chegou a hora de falarmos sobre o impacto que uma trilha sonora pode ter na sua experiência enquanto joga um jogo. Muitos jogos como Mortal Kombat II, The Legend of Zelda: Ocarina of Time, Undertale, e muitos outros, tem tal reconhecimento não só graças a sua jogabilidade, mas sim devido a sua trilha sonora bem feita com alguns deles até vindo a se tornar referências no mundo dos jogos.

Há muito mais em uma trilha sonora do que apenas uma música, para se tornar de fato boa, é necessário estabelecer um laço entre a musica e o jogo, dessa forma a musica se torna parte de uma lembrança inesquecível de um jogo que por ser muito complexo ou muito emocionante marcou a sua vida como um jogador. Jogos como Undertale tem uma comunidade que ama o jogo pelo fato de seus melhores momentos terem acontecidos com uma música muito boa de fundo como a popular ‘’Megalovania’’ que é tocada na sua última batalha contra o inimigo mais forte, é tão popular e amada pelos fãs que no aniversario de 5 anos do jogo foi realizado uma orquestra com todas as músicas do jogo que foi capaz de reunir mais de dois milhões e quinhentos mil espectadores somente acompanhando a música de seu jogo favorito. Também é importante citar o jogo que venceu na categoria de melhor trilha sonora de 2019 pelo “The Game Awards”, Death Stranding é um jogo que foi muito aguardado e foi desenvolvido pela Kojima Productions e teve uma avaliação positiva em pesquisas feitas pelo público gamer, o jogo chegou a oitenta e dois de cento e onze pontos na avaliação de acordo com o metacritic, um renomado site de avaliações no mundo dos games.

O fato é, a trilha sonora de um jogo tem a capacidade de torná-lo único e uma trilha sonora que emocione o jogador junto de um momento importante do jogo pode marcar o mesmo quando se trata de jogos. Muitos jogos atuais prezam pela sua trilha sonora como se fossem o bem mais importante de um jogo e acredito que muitos desses jogos cujo a trilha sonora é o foco tendem a ganhar muita popularidade no mundo dos games.

PROJETO BLOG EPC ENSINO MÉDIO

MEIO AMBIENTE – 1º ENSINO MÉDIO

• Impactos no meio ambiente

   Os impactos negativos no meio ambiente estão diretamente relacionados com o aumento crescente das áreas urbanas, o aumento de veículos automotivos, o uso irresponsável dos recursos, o consumo exagerado de bens materiais e a produção constante de lixo. Percebemos, portanto, que não apenas as grandes empresas afetam o meio, nós, com pequenas atitudes, provocamos impactos ambientais diariamente.

    Dentre os principais impactos ambientais negativos causados pelo homem, podemos citar a extinção de espécies, inundações, erosões, poluição, mudanças climáticas, destruição da camada de ozônio, chuva ácida, agravamento do efeito estufa e destruição de habitats. Isso acarreta, consequentemente, o aumento do número de doenças na população e em outros seres vivos e afeta a qualidade de vida.

     Vale destacar que os impactos ambientais positivos, apesar de ocorrerem em menor quantidade, também acontecem. Ao construirmos uma área de proteção ambiental, recuperarmos áreas degradadas, limparmos lagos e promovermos campanhas de plantio de mudas, estamos também causando impacto no meio ambiente. Essas medidas, no entanto, provocam modificações e alteram a qualidade de vida dos humanos e de outros seres de uma maneira positiva.

• A preservação do meio ambiente

Preservar o meio ambiente é um ato importante não só para a humanidade, mas para todos os seres que habitam a Terra. Afinal, é nele que estão os recursos naturais necessários para a sua sobrevivência, como água, alimentos e matérias-primas. Sem esses recursos, todas as formas de vida do planeta poderão acabar.

 • Exemplos de como preservar o meio ambiente:

* evitar todo tipo de poluição nas águas dos rios, mares, oceanos e lagos.

* separar o lixo orgânico do lixo reciclável e os diferentes tipos de lixo reciclável.

* fazer o consumo consciente de recursos como água e energia elétrica.

* evitar desastres ecológicos, como queimadas, derramamentos de óleo nas águas, desmatamentos e morte de animais.

* diminuir a poluição e a emissão de gases poluentes.

* usar energias reaproveitáveis e renováveis, como a solar, eólica (do vento) e etc.

* diminuir o consumo de alimentos e de produtos industrializados.

* usar meios de transporte alternativos e menos poluentes, como a bicicleta e os transportes públicos.

* construção de casas sustentáveis, que sejam preparadas para o uso de energias alternativas e renováveis.

•Acontecimentos prejudiciais no meio ambiente:

A queimada nos Biomas

• Pantanal: As queimadas no Pantanal, bioma localizado no Centro-Oeste e em partes da Bolívia e do Paraguai, são bastante comuns no inverno, época em que as temperaturas aumentam e a umidade do ar diminui nessa localidade. Esses fatores climáticos associados às ações humanas podem gerar queimadas de vários graus de intensidade e prejudicar bastante o bioma. A estiagem natural do inverno na região Centro-Oeste pode vir acompanhada de focos naturais de queimadas, mas em trechos isolados, com a atuação dos ventos e tempo seco. Os focos também podem aparecer perto do período chuvoso, com a ação de raios e outros fenômenos naturais.

Entretanto, o que tem sido visto ultimamente é um aumento considerável desses focos em épocas muito secas e em grandes áreas, o que leva a crer que esses focos sejam causados pela ação humana.

A baixa quantidade de chuvas dos últimos períodos contribui para o aumento do número de queimadas, pois a umidade diminui, deixando o tempo seco, além das altas temperaturas, com médias acima dos 30ºC.

Contudo, tais queimadas não ocorrem apenas por causa desses fatores mencionados. Especialistas acreditam que grande parte dos focos, é causada pelas ações humanas ligadas ao agronegócio e o desmatamento.

O Pantanal teve 14% do bioma queimado apenas em setembro e área devastada já é recorde histórico, diz Inpe.

Área atingida no ano chega a quase 33 mil km², o que equivale à soma do território do Distrito Federal e de Alagoas. No acumulado em 2020, 26% de todo o bioma já foi consumido pelas chamas. Antes do atual recorde, o ano com a maior área queimada era 2005, quando foram destruídos 27.472 km².

Situação nos demais biomas:

• Pampa – As medições já apontam recorde de queimadas. Até setembro, foram destruídos 6.044 km². O recorde anterior, considerando o ano inteiro, era de 2003, quando foram queimados 2.488 km².

• Amazônia – Se considerado apenas o acumulado entre janeiro e setembro, o bioma teve a maior perda de área desde 2010. Até setembro foram 62.311 km² de área destruída, contra 96.020 km² em 2010.

• Caatinga – Houve redução nas queimadas. Elas destruíram 7.775 km² contra 12.443 km² em 2019 e 13.121 km² em 2018, no período entre janeiro e setembro.

• Cerrado – Também houve diminuição em relação ao ano passado. Foram destruídos 102.390 km² até setembro deste ano contra 122.674 km² de janeiro a setembro do ano passado.

• Mata Atlântica – A área destruída pelo fogo se manteve estável. Foram 15.055 km² queimados neste ano, contra 15.020 no ano passado, considerando apenas dados acumulados até setembro.

• Felipe Augusto Dias, diretor-executivo da ONG SOS Pantanal, em Campo Grande, afirmou que “ações humanas” são a origem dos focos de incêndio. Ele disse que a equipe do Prevfogo, do Ibama, que trabalha para apagar as queimadas na região, credita 99% do fogo à ação humana.

Fontes:

m.brasilescola.com.br

g1.globo.com

noticias.uol.com.br

brasilsustentaveleditora.com.br

PROJETO BLOG EPC ENSINO MÉDIO

Olá pessoal, estamos trazendo uma notícia muito legal para vocês.

Os nossos alunos do ensino médio vão postar quinzenalmente curiosidades com temas bem diversificados. Teremos novidades para todos os gostos. Vocês poderão ler ou escutar um podcast sobre meio ambiente, política, o mundo do entretenimento e muito mais.

Nessa primeira semana do projeto Blog EPC, o nosso primeiro ensino médio resolveu falar um pouco sobre meio ambiente e o nosso segundo fez um Podcast sobre a vida saudável no século XXI.

Esperamos vocês aqui para curtir o nosso projeto e adquirir muito conhecimento!

#BlogEPCEnsinoMédio